segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Os sentidos de serem dois

O som do mar, do ar, do sussurro que estremece, do sorriso que convida, a melodia que se eterniza em uma história.
A fragrância inerente que uni dos seres como se fossem únicos.
O sabor do beijo, a estória que te um começo doce com um fim amargo, e vice versa, mas que nas entrelinhas discorrem as palavras, cada um com seu gosto singular, por onde passam as amargas verdades, o salgado NÃO a um sentimento, cada uma cumprindo seu papel e completando as fezes inevitáveis,
O toque que fala por si só, mostrando o percurso do extremo ao intenso.
Ah, e o olhar? O olhar é o intenso silêncio, o dicionário transcrito, a frase que anseia traduzir o sentimento; a dança que promete ser arte; a dor da alma que insiste em ser sentida como se fosse dor física; a angustia que o pensamento presenteia só pra trair a si próprio; o medo que te faz mutável... Uma lágrima é apenas a alma externando o que o corpo e já não pode mais suportar.




Jane Bem
17/07/2009

Um comentário:

  1. Subjetividade?
    Realidade.
    Massa amiga, és uma poetisa mesmo!

    ResponderExcluir